Inscreva-se em nossa newsletter!

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Trânsito de Belém irrita, humilha e mata

Garagem de um prédio na Travessa Quatorze de Março: desrespeito e impaciência no trânsito / Foto: Peri Dias
 
* Por Peri Dias

Olhando a foto pode até parecer engraçada a ênfase com que os moradores deste prédio na Travessa Quatorze de Março, bem pertinho da Basílica de Nazaré, lembram os motoristas de que é proibido estacionar em frente ao portão, mas imagine quantas vezes o autor desse aviso se viu bloqueado, sem poder entrar ou sair de casa, para chegar ao ponto de pichar o próprio patrimônio.

O desrespeito às leis de trânsito em Belém sinceramente me impressiona. Ele começa pelo própria Prefeitura, que para desafogar o trânsito cria cruzamentos sem faixa de pedestres ou em que o fluxo de carros não para nunca - ora vem de uma rua, ora da outra. Ganha corpo com aqueles motoristas que dão aquela esticadinha quando o farol já fechou ou com os ciclistas que andam na contramão e não param em hipótese alguma, mesmo quando tem gente atravessando na faixa – e isso é bem comum em Belém!

Por fim, o ápice do desrespeito se materializa nos muitíssimos carros estacionados nas calçadas, a qualquer hora do dia, obrigando o pedestre a ir para o meio da rua para continuar viagem. Já vi mãe com carrinho de bebê tendo que se enfiar no meio do trânsito para transpor uma dessas barreiras. O pior foi o dia em que me deparei com um homem em uma cadeira de rodas prostrado em frente a um desses carros parados de comprido, na calçada, provavelmente se perguntando em que momento ele conseguiria seguir em frente, se na calçada não tinha mais jeito. Quão humilhante é alguém se ver impedido de ir e vir por causa de um "gênio" que achou que o conforto dele é mais importante do que o direito de todo o resto da população?

O que mais impressiona é que em Belém ficou meio estabelecido que parar o carro na calçada é aceitável, diante da falta de vagas. Toda vez que vejo um motorista saindo do carro, após estacionar onde não devia – e isso acontece quase diariamente - reparo em sua postura. Na grande maioria das vezes, não consigo encontrar um vestigiozinho de vergonha pela transgressão. Não é que a pessoa parou em lugar proibido, mas saiu rapidinho e com cara de "eu sei que estou errado, desculpa aí, mas só vou comprar um negócio ali e já volto'" Isso já seria ruim, mas, não, estamos uma fase atrás! A pessoa para o carro na calçada estreita, sai bem tranquila e não está nem aí se alguém vai achar ruim. Ela realmente se sente no direiro de parar naquele pedaço do passeio público.

Além de irritar e humilhar, o desrespeito no trânsito obviamente também mata. Segundo a Agência Pará, 98 pessoas morreram por acidentes de trânsito em Belém, em 2011. Não é um número alarmante, mas, se pensarmos que muitas dessas mortes podiam ser facilmente evitadas se tivéssemos mais cuidado, temos que nos perguntar: de que atitudes renovadoras Belém precisa para ter um trânsito mais razoável? Dê sua contribuição pelo blog ou pelo Facebook do TEDx Ver-o-Peso!

Confira também os outros posts da série Desafios de Belém:
- O que te incomoda em Belém?
- De tirar o sono
 
 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

De tirar o sono

Homem dorme na calçada da Travessa Padre Eutíquio, em frente a uma loja de colchões / Foto: Peri Dias

* Por Peri Dias

Dentro da loja de colchões da Travessa Padre Eutíquio, em um bairro valorizado de Belém, clientes experimentam os modelos mais confortáveis, em busca do companheiro ideal para um sono confortável. Do lado de fora, um homem jovem está deitado na calçada, tentando dormir em meio ao barulho dos carros e ao calor da tarde belenense.

Ironia do Capitalismo, produzimos bens da melhor qualidade, mas só alguns podem comprar. Quem não pode, se vira com o que tem: o asfalto, a fumaça, a intimidade devassada.

A pobreza tem diversas caras e não se manifesta só em cenas assim, de gente dormindo pelas ruas, mas quando ela aparece tão escancarada, não temos saída, senão refletir se esse é o país que queremos. E em Belém, essas cenas estão por toda parte.

O que uma imagem como essa desperta em você? E o que Belém pode fazer para melhorar a vida da sua população mais pobre?

Dê sua opinião aqui no blog ou no Facebook do TEDx Ver-o-Peso. É hora de falarmos dos nossos desafios!





segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O que te incomoda em Belém?

Vista a partir do Rio Guamá: crescimento traz novos desafios para a capital do Pará / Foto: Peri Dias

* Por Peri Dias

Ao fim de uma disputa bem imprevisível, os moradores de Belém descobriram, em 28 de outubro, quem será o homem no comando do município, a partir de 2013. O candidato do PSDB, Zenaldo Coutinho, venceu seu adversário Edmilson Rodrigues, do PSOL, e conquistou o direito de governar a cidade pelos próximos quatro anos.

Como em outros municípios Brasil afora, a campanha pelo cargo de prefeito levantou discussões importantes sobre o futuro da cidade e sobre como seus moradores pretendem chegar lá. Passado o calor do combate, porém, os debates começam a esfriar, e a reflexão sobre o destino de Belém volta para a gaveta dos assuntos esquecidos.

Nós, do TEDx Ver-o-Peso, acreditamos que discutir os problemas da comunidade é o primeiro passo para renová-la, e como renovação é o tema do nosso evento em 2013, queremos dar uma forcinha para prolongar esse clima de reflexão sobre Belém.

Fizemos uma seleção das fotos tiradas pela nossa equipe nas ruas da cidade, para ilustrar alguns dos desafios que os belenenses enfrentam diariamente. Vamos postar uma imagem por dia, ao longo dessa semana, começando pelo post de amanhã, que retrata a desigualde de renda. As fotos são amadoras porque a graça é mesmo dar esse tom de flagrante do cidadão comum. São imagens que qualquer um poderia ter tirado no caminho para casa - e por isso mesmo, elas dizem tanto sobre a cidade.

Você pode participar enviando seus próprios registros dos desafios dos belenenses, além de dar sua opinião sobre como superá-los. Diga para todo mundo: o que te incomoda em Belém?